Um milhão de novas palavras: Fernando Temporão

A morte do Domingos me fez pensar muito profunda e amorosamente na minha filha. Quando alguém morre a gente se lembra que também morremos, que a morte existe e, principalmente, que não temos nenhum controle sobre quando as coisas acontecem. Claro, seria impossível viver prevendo as coisas, numa neurose sem fim. Aí seria melhor ficar […]