O talento que vem do fundo do coração e chega ao coração dos outros

IMG_1092

Eu, ainda, não tive a feliz oportunidade de ir a um show de Filipe Catto. E isso é algo que eu lamento e, muito! Mas nem tudo está perdido, sei que essa oportunidade chegará mais cedo ou mais tarde. Assim, então, eu vou vivendo a alegria de manter os ouvidos e os olhos bem abertos para capturar aquilo que no cenário musical brasileiro me chama a atenção, me comove, me encanta e me convence como algo que merece ser reverenciado. Valho-me, então, da internet para chegar mais perto desse prazer.

Ouvi a voz de Filipe, pela primeira vez, através do rádio. Adorei! A interpretação dele me tocou profundamente. Eu estava no trânsito caótico do Recife dirigindo quando, no espaço do veículo ressoou Vinte e Poucos Anos. Tão logo escutei a canção, que me era familiar, voltei no tempo: desenrolei os versos que são metade da minha idade e cantei ao volante, mesmo que a minha voz, lógico, estivesse longe da afinação que os meus ouvidos captavam pelo rádio. Uma segunda vez, nas mesmas circunstâncias, ouvi Adoração, desta feita, fiquei em silêncio, não conhecia a letra! Ao final de tudo, pude quase que por sorte ouvir o locutor pronunciar o nome do intérprete. Tempos depois, por acaso, na casa de uma amiga, vi o DVD Entre Cabelos, Olhos e Furacões e aí fiz a conexão da voz que ouvira com a pessoa que, então, eu via preencher o palco e o teatro.

A partir daí, não deixei mais de seguir os ecos da voz de Filipe. Comprei o CD Entre  Cabelos, Olhos e Furacões, o CD Fôlego e fui catando vídeos na internet. Mesmo estando fora do Brasil há alguns meses, tenho podido mais atentamente acompanhar a carreira dele. Tanto que, quando do lançamento do TOMADA, assisti ao CLapME e, depois, minha amiga (aquela na casa de quem assisti ao DVD) sabendo do meu gosto e admiração pelo trabalho de Filipe, me presenteou com o novo CD, o qual me chegou às mãos no mês de Dezembro próximo passado e reverbera no meu cotidiano, em terras estrangeiras.

Aí estão, portanto, descritos os caminhos que me levaram a cultivar o sabor do primeiro encontro com a musicalidade de Filipe Catto. Num primeiro momento a voz, os tons de cada palavra dita em Vinte e Poucos Anos; depois a imagem do intérprete, configurando a entrega ao canto – tal como Elis, para mim a intérprete por excelência dos sentimentos cantados. Simultaneamente a isso tudo, a descoberta do Filipe compositor: o poeta que se diz “tão forte quanto o escuro do infinito e tão frágil quanto o brilho da manhã” e que anuncia sorrir “…sem nunca esquecer que era fácil se perder por entre sonhos e deixar o coração sangrando até enlouquecer” em Saga; o mesmo poeta que em Adoração se declarara dizendo: “… me toma em teu compasso que só no teu abraço que eu me escondo do mundo”.

E assim foi…Por entre os recorrentes flertes com a poesia que ele libera, comecei a observar, ainda mais atentamente do que antes, o cuidado, a seriedade, a dignidade das posturas reveladas pela pessoa do intérprete, do poeta, do designer de uma vida inteira, que já planta e colhe luz!  Por fim, me rendi à necessidade de escrever este texto e, como uma voz anônima, dizer que, o talento de Filipe Catto nos dá alento nesse mundo conturbado; que a melodia vibrante, intensa de suas canções autorais ou não é um presente que não tem preço, tem valor de carinho e com carinho precisa ser apreciado e guardado lá no Fundo do Coração. É isso gente. É isso aí Catto, para você que declarou querer entrar no coração das pessoas, no meu,  você encontra abrigo.

TEXTO DE MARIA BETÂNIA SILVA

6 thoughts on “O talento que vem do fundo do coração e chega ao coração dos outros

  1. Você me apresentou a essa voz deslumbrante e hoje tenho em meu celular a discografia completa e alguns shows ao vivo. Nao consegui, ainda, ir a um show dele. Esgotado em menos de uma hora. Mas sei que vou. Muito em breve. O que sempre ressoa em minha cabeça, com sua voz forte e suave é “deixei na tua casa uma rosa vermelha e um bilhete dizendo ‘cuide bem dessa rosa, trate ela melhor do que tratou a mim’ nem beijei o papel, dobrei, saí no calor do momento. Vou com a roupa do corpo mesmo sem ter para onde ir.”

    Like

  2. Linda descrição do que a voz do Filipe Catto vai penetrando no nosso ouvido e passa diretamente para o coração!
    E aí descobrimos que ele já tomou conta de tudo!!!

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s