Margens e Clareiras

📷 Daguito Rodrigues


Quando o ano acaba

Pandemia é dor. Dor extrema. É medo que dói na alma. Porque pandemia é sofrimento e morte, é crise e desemprego. Miséria. Reclusão. É limitar a vida e cancelar rotinas e costumes. É finalizar o que já foi. Mas toda noite precede o dia, e todo inverno é o contraponto do verão. Não há sombra sem luz. Então, se há dor, há também um outro lado, o do aprendizado.

A pandemia me ensinou o poder do meu santuário, do lugar onde me alimento e me recupero. A minha casa. Lar de toda vida e prosperidade, onde reúno amor e esperança, onde gero existência e alimento esse novo existir — e o mantenho sempre exuberante, em busca de um crescimento conjunto e sistêmico. Porque minha casa é sim um ecossistema. Como tudo.

E quando falo de prosperidade, falo de qualidade, não de quantidade, falo da descoberta de que com menos eu sempre ganho mais. É o milagre da multiplicação, aquele lá da bíblia, lembra?

Só agora sem o ego mítico, com seus sonhos hierárquicos e suas alegrias de posses e veneração, enxergo o todo e me torno parte de tudo. Só agora eu aproveito mais. Uso mais. Cresço mais. Sou muito mais.

A pandemia dói, mas também ensina quem estiver disposto a aprender. E para aprender é preciso mudar. Lembra do colégio? Você subia de série e tinha de deixar para trás professores, colegas, sala, carteira, aquele desenhinho que fez na mesa ou o recadinho do crush talhado na madeira. Para aprender e evoluir é preciso saber abandonar. Deixar ir.

Nesta pandemia, precisamos abandonar um século inteiro e todo o seu consumismo lobotomizado, ambição desenfreada, materialismo cego, ganância assassina e superficialidade rasa e emburrecedora. É isso tudo que estamos abandonando. E dói também, como no colégio.

Temos agora a oportunidade de passar ou de repetir de ano. Você pode. Você vai. Vamos todos mudar sim. Para muito melhor. Porque vida tem morte, mas vida é evolução.

O tempo não para, não pode parar jamais. O segredo é estar sempre em movimento, acompanhando a roda do abandono e da evolução, acompanhando o fluxo da chama, o som das vozes que clamam, a energia que pulsa no peito, essa coisinha que você escuta e sente, esse chamada que estamos recebendo para finalmente entendermos o que de fato é a beleza e a grandiosidade dessa experiência quase inexplicável que é viver.

O ano está acabando e chegou a hora de subirmos de série. Que venha o novo.

(Daguito Rodrigues)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s