Papo Afinado: Simone Mazzer

Paduardo Passos
Foto de Paduardo Passos

Ela é atriz e cantora.  Das viscerais, das que viciam, e você não consegue parar de ouvir e ir aos shows.Seu CD “Férias em Videotape” recebeu muitos elogios e lotou casas como o Circo Voador, no Rio de Janeiro. O filme -“Nise – O coração da loucura” em que ela dá um verdadeiro show como “Adelina”- acaba de estrear nas telas.

Filipe Catto em Foco tem o prazer imenso de receber, aqui no Papo Afinado: Simone Mazzer!
FCEF-Do comecinho, lá em Londrina. Como você descobriu o teatro? Ou foi a música que veio primeiro?
SM – A música veio primeiro, lá em Londrina, quase que “sem querer”, em 1990 , com uma banda local chamada Chaminé Batom. Só depois, em 1993/94, comecei o teatro com a Armazém Cia de Teatro, onde fiquei até 2012.
FCEF-Fale um pouco de suas influências musicais.  Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção, as grandes cantoras brasileiras…
SM – Minhas referências são bem variadas, apesar de começar na música aos 22 anos, ela já estava muito presente na minha vida através do rádio, dos meus LPs, das lojas de disco… então ouvi de tudo mesmo. De Agnaldo Rayol, Angela Maria, Dalva de Oliveira, Elza Soares, Elis Regina, Ney Matogrosso, Tetê Espíndola, ABBA, Carpenters, Police, U2, Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção, Baby do Brasil, Cida Moreira, Ella Fitzgerald, Billie Holiday, Gal Costa, Mahalia Jackson, Elke Maravilha, Maria Bethânia, David Bowie, Whitney Houston, Maria Alcina, Madonna, Fafá de Belém, Grace Jones, Prince, Siouxie and the Banshees, Bibi Ferreira, vixi… a lista não para não!
FCEF -O CD ” Férias em Videotape”. Como foi o processo de realizá-lo, escolha de repertório, músicos e tudo mais.
SM – Primeiro veio uma ideia de repertório para show, o Cabaré Batom, em 2011. De uma necessidade de voltar pra música, idealizei um repertório e fui pra Londrina buscar ajuda pra realizar esse novo projeto de vida, já que aqui no Rio não consegui formar uma banda com as condições que eu tinha que eram: nenhuma. Em Londrina, chamei o Marco Scolari, que já trabalhava comigo há anos. Ele topou, trabalhamos os arranjos e chamamos mais músicos para o projeto. Estreamos em Londrina, no Valentino em março de 2011. Depois, viemos para o Rio, onde começamos uma temporada no Bar Semente, na Lapa. Ali ficamos quase 3 anos com temporadas. E começamos a viajar com o show também. Foi ali que começamos a formar um público e fomos sedimentando o repertório. Em 2013, resolvi que tinha que registrar isso, só aí veio a ideia do disco.
FCEF-Buraco da Lacraia – Cabaret on Ice – Lapa, RJ – Fale um pouco sobre essa cena e sua participação nela.
SM – De novo, sem planejar nada…. fui ao Buraco assistir uma peça que havíamos ganhado um ingresso. Lugar inusitado. Assisti. Adorei. Era o “Buraco da Lacraia Dance Show”. Me encantei com a simplicidade e originalidade daquilo tudo. Depois de várias idas, me ofereci pra fazer uma espécie de prólogo, um aquecimento para o público… seria um teste, um mês pra ver se funcionava… Estou lá já há quase 3 anos, toda sexta feira. Hoje, eles fazem outro espetáculo, há 2 anos, o “Buraco da Lacraia Cabaré on Ice”. Sou muito feliz ali. São pessoas com as quais me identifico muito. Uma resistência teatral, sem patrocínio, sem dinheiro, mas com muita atitude.
FCEF-Cinema. Outra paixão sua.  Como nasceu? Nise -O coração da loucura – seu mais recente trabalho que acabou de estrear nas telas.Como foi trabalhar em um filme que fala de uma grande brasileira?
SM -O cinema apareceu em pequenas participações em curtas, depois em longas (o primeiro longa que participei foi o belíssimo “Sudoeste” de Eduardo Nunes), e um belo dia, recebi um telefonema de uma produtora de elenco, me falando de Nise… era um momento delicado pra mim, pois estava me desligando do Armazém, assumindo minha produção na música… topei. E foram meses intensos de preparação e filmagem. Soa clichê, eu sei, mas foi um presente que o diretor Roberto Berliner me deu, esse personagem, a Adelina, foi muito importante. Trabalhar um personagem com essas características é muito desafiador, pois a linha entre o crível e o caricato esteriotipado é muito tênue… isso além da maravilha que é falar dessa mulher espetacular que foi Nise. É uma honra fazer parte dessa história.
FCEF-Filipe Catto participou de seu show em SP.  Como nasceu a ideia do convite?
SM-Conheci Filipe primeiro ouvindo seu disco, gostei, o procurei no Facebook,  disse o quanto tinha curtido seu trabalho e só depois fomos apresentados por amigos em comum. Pronto, foi o suficiente pra gente ser muito próximo um do outro, mesmo morando em cidades diferentes… Daí a convidá-lo pra uma participação foi um pulo! Adoro a voz dele, sua personalidade vocal é muito forte. Achei que tinha tudo a ver com o show. E teve mesmo, foi lindo!
 FCEF-Como você vê a cena musical atualmente? Quem te motiva?
SM-O sentimento é meio confuso, às vezes me incomodo um tanto com a facilidade com que artistas da música aparecem hoje em dia. Não é a facilidade que me incomoda, mas sim a falta de consistência, a banalização da música. Mas por outro lado, o momento é riquíssimo! Também aparecem coisas muito interessantes. Adoro conhecer novos trabalhos, mas às vezes fica até difícil de acompanhar, tamanha a demanda. Muitos me motivam… Bibi Ferreira me motiva, sempre. Elza Soares me motiva com sua capacidade de acompanhar o tempo com maestria assim como a Fafá de Belém … Filipe me motiva com sua força no canto, e mais alguns que estão por aí hoje: Liz Rosa me motiva, mulher de voz linda, adoro… Johnny Hooker, com suas composições e performance, me mostra o quanto é importante expressar-se, assumir o seu lugar no mundo. E como ele temos Lineker e Liniker, adoro os dois! Karina Buhr, Juliana Linhares, Ava Rocha, Alice Caymmi… 
FCEF-Planos para o futuro? Um novo CD vem por aí?
   SM- no momento sou uma usina de planos! A gente precisa trabalhar, né? Então, idéias não faltam… Mas ainda pretendo viajar e circular muito com FÉRIAS EM VIDEOTAPE… vem aí uma nova tiragem! E outras surpresinhas pelo caminho 😉 
13101101_10154114344213535_1818084703_n

2 thoughts on “Papo Afinado: Simone Mazzer

  1. Mazzer é visceral mesmo! Conheci pela participação do Filipe e não consegui mais parar de ouvir!
    Muito linda!
    Parabéns pela FCinFoco!

    Like

  2. Apaixonante !!!
    No show de Curitiba, no Sesi, levei o banner do show, autografado, para casa …
    Realmente, não dá vontade de parar de ouvir !!!

    ❤ ❤ ❤

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s