Lanterna Mágica: Bacurau e o Jogo da Infelicidade Triunfante

20190923_214417

A imagem de um carro-pipa circulando por estradas esburacadas na paisagem de luz do sertão nordestino até esbarrar em um caminhão tombado e sua carga de urnas funerárias é desconcertante. Com ela, os diretores pernambucanos Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles iniciam o perturbador enredo do filme Bacurau (2019), em exibição nos cinemas.

Bacurau é uma dessas obras que dão um soco no estômago da gente por revelar a que ponto pode chegar a vitória da irrealidade. Tem a contundência social dramática de Cafarnaum (2019), da diretora libanesa Nadina Labaki, e o requinte da amoralidade inconsequente do Show de Truman (1998), do diretor australiano Peter Weir.

Cena por cena, Bacurau vai oferecendo enunciados consistentes e incômodos de uma sociedade que troca o amor ao próximo oela emoção de eliminar o diferente, o que vive isolado, sem crédito e sem dívida, e que por isso mesmo pode ser abatido como mero semovente em um território propício ao safari humano.

O turismo de caça aos semelhantes descartáveis expande uma violência sobre os corpos que deixaria excitado o filósofo francês Michel Foucault (1926-1984). O xis da matança está no confronto entre os que estão cometendo assassinato por diversão e os que não sabem que estão expostos a um game concreto; movido pela angústia de quem comprou a felicidade no mercado e não recebeu.

Um dos gringos conta que pensara em matar pessoas em shopping, mas desistiu. Para ele talvez fosse difícil eliminar um igual, alguém capaz de fazer compras. Os vitoriosos da hipermodernidade acham que têm tudo, mas quando percebem que não tem nada precisam de uma arma para estourar os miolos da própria insignificância. A jogabilidade em Bacurau se dá no mundo da violência estrutural, onde tomar poder é mais fácil do que tomar consciência.

A escolha do nome Bacurau para o povoado que, por sua vez, dá nome ao filme é muito adequada, haja vista o caráter mimético e os hábitos crepusculares dessa ave tão comum nas veredas do Brasil de dentro. Nesse drama social sem consequências, a corujinha deitada voa por vários campos existenciais e pousa na fronteira que separa a luta de classes da luta por parametrização consumista.

O que os turistas-jogadores, com armas sofisticadas, drone e a cumplicidade do prefeito Tony Júnior – que distribue caixão de defunto enquanto pede votos para a reeleição – não esperam encontrar naquela coletividade anônima, apagada dos mapas, é uma potência  formada  pela trama de índios, quilombolas, prostitutas, cantadores e outros moradores considerados inúteis.

O lugarejo tinha um museu e nele parte do que precisava para enfrentar os ataques dos que estavam ali, infelizes e triunfantes, em busca de sentir alguma coisa. Tinham também uma pílula de vitalidade – algo como a poção mágica de Asterix (Uderzo e Goscinny) – símbolo dos saberes populares, e uma gestualidade nonsense de desaparecimento como silencioso sinal de recusa.

Em doses de Sagarana (Guimarães Rosa), a trilha sonora de Bacurau dispensa penitências e dá o recado do Réquiem para Matraga. “Se alguém tem que morrer/Que seja para melhorar” (Geraldo Vandré); recado bem dado por um elenco que tem Sônia Braga e Silvero Pereira, as participações de Lia de Itamaracá e Rodger Rogério, e autênticos coadjuvantes da região potiguar do Seridó. Muito bom e necessário.

Texto de Flávio Paiva – jornalista, escritor e compositor cearense. Esse texto foi publicado originalmente no caderno “Vida e Arte” do jornal “O Povo”, de Fortaleza, em 3/9/19 e reproduzido aqui com a devida autorização do seu autor.

Site de Flávio Paiva


Nota de FCEF: para quem assistiu o filme Bacurau e não conhece o ator que interpreta o violeiro, trata-se de Rodger Rogério, cearense que carrega em seu currículo atividades tão diferentes quanto professor de física – com passagem em universidades como a USP de São Paulo e a UNB de Brasília – como instrumentista, cantor, compositor, sendo um dos principais precursores e fundadores do que ficou conhecido como “Pessoal do Ceará” e ator, já tendo atuado em outros filmes, principalmente os de seu conterrâneo, o diretor de cinema Rosemberg Cariri.

Aqui um pouco da história dele:

Rodger Rogério

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s