Memória: Florbela Espanca

FLORBELA-ESPANCA-POEMAS

Ela foi contemporânea de Fernando Pessoa e Mário de Sá Carneiro, mas nunca teve o seu talento reconhecido como os seus conterrâneos. Nascida em 1894 em Vila Viçosa, região do Alentejo, Florbela Espanca foi uma das primeiras mulheres portuguesas a frequentar o curso secundário, tendo depois cursado Letras e Direito, mas não chegou a concluir o curso.  Mais tarde trabalhou como professora particular e como tradutora.  Sem precisar levantar a bandeira do feminismo, foi uma mulher à frente de seu tempo. Casou-se três vezes, teve amantes e sempre tratou os homens como iguais. Se auto intitulou poeta quando ainda só se usava poetisa, no feminino.

Florbela foi uma mulher infeliz, de saúde frágil, temperamento muito intenso e um amor imenso ao seu irmão.  Tanto que sua fragilidade emocional não resistiu à morte dele e com apenas 36 anos, se suicidou no mesmo dia de seu aniversário, 8 de dezembro.

Os versos de Florbela são extremamente líricos e carregados de melancolia.  Falam de um amor impossível e idealizado, mas também soube exaltar sua terra natal.  Começou a escrever aos 8 anos de idade e teve livros lançados postumamente.

Uma das característica da poesia de Florbela é sua extrema musicalidade.  Assim como Filipe Catto descobriu António Variações em sua viagem à Portugal, o cantor e compositor cearense Raimundo Fagner descobriu Florbela Espanca em uma viagem à Lisboa, no início dos anos 80 e ficou tão fascinado pela obra da poeta portuguesa que musicou vários poemas, todos de uma beleza incrível e que viraram excelentes canções. São eles: Fumo, Fanatismo, Tortura (gravada por Cauby Peixoto), Chama quente, Frieza (gravada por Amelinha), Impossível (gravada pela cantora espanhola Ana Belém) e Soneto 1 , apêndice de “Charneca em Flor”.

Amar!

Eu quero amar, amar perdidamente!

Amar só por amar: aqui e além…

Mais este e aquele, o outro e toda a gente

Amar! Amar! e não amar ninguém

Recordar ? Esquecer? Indiferente!…

Prender ou desprender ? É mal ? É bom ?

Quem disser que se pode amar alguém 

Durante a vida inteira é porque mente

Há uma primavera em cada vida

E preciso cantá-la assim, florida.

Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei de ser pó, cinza e nada

Que seja a minha noite uma alvorada

Que me saiba perder…pra me encontrar…

Alguns artistas portugueses também transformaram em canções os belos e sentidos poemas de Florbela Espanca.  Mariza foi uma delas.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s