Fragmentos

12039308_10153156062851299_691976241482074082_n

Não quero entrar na cabeça, quero entrar no coração das pessoas.

(…) Acho que o mais bacana de pensar, em um espetáculo, é ele se transformar e transformar as pessoas. Eu gosto de falar que é como botar a pessoa dentro de um carrinho de montanha russa. (Entrevista para Marina Vaz – O Estado de São Paulo)

(…) Acho que a maior preocupação é fazer um trabalho que consiga mexer com as sensações. Eu não consigo dialogar com o público de uma forma racional. A maneira como eu me exponho não é calculada, nem nas interpretações, nem nas músicas. As coisas acontecem, e mudam, e se transformam, e geram outras coisas. E o contato é muito visceral mesmo. (Entrevista para Marina Vaz – O Estado de São Paulo)

(…) Às vezes, até eu me assusto com a reação das pessoas. Graças a Deus minha plateia é extremamente respeitosa e bacana, mas eu sinto que existe uma coisa maluca e animalesca rolando entre mim e o público. E é esse tipo de contato que eu quero. Não quero contato superficial. Não quero entrar na cabeça, quero entrar no coração das pessoas. (Entrevista para Marina Vaz – O Estado de São Paulo)

Pesquisa de Francielle Flores

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s